DOENÇAS AUTOIMUNES

O Sistema Imunológico - Descrição de algumas doenças relacionadas
As doenças autoimunes são doenças distintas provocadas pelo sistema imunológico quando este passa a produzir anticorpos contra componentes do próprio organismo. Sendo assim, o corpo começa a confundir suas próprias proteínas com agentes invasores, passando a atacá-las.

O Sistema Imunológico: É um sistema de defesa contra invasões de agentes externos (bactérias, vírus, fungos, parasitas, proteínas ou qualquer outro ser ou substância que não seja natural do corpo) e que reconhece o que faz parte do nosso corpo (células, tecidos e órgãos), além do que não é naturalmente do corpo (alimentos, por exemplo) mas que não causa danos.

Então, quando o sistema imunológico se depara com alguma substância estranha, que ele interprete como potencialmente danosa, ele passa a produzir células de defesa e anticorpos para combatê-la, chamadas de antígenos.

Existem mais de 80 tipos de doenças autoimunes. Citarei apenas algumas sem entrar em muitos detalhes, apenas para conhecimento geral. Seguem: 
Esclerose Múltipla: O sistema imunológico produz anticorpos contra componentes dos neurônios, causando sua destruição e graves problemas neurológicos.
Diabetes Tipo I: Ocorre uma produção inapropriada de anticorpos contra as células do pâncreas que produzem insulina, levando a sua destruição e assim surge o diabetes.
Hipotireoidismo: O corpo produz anticorpos contra a própria glândula tireoide, destruindo-a. Chamada também de Tireoidite de Hashimoto.
Vitiligo: Aqui há uma produção inapropriada de anticorpos e linfócitos T (um tipo de glóbulo branco) contra os melanócitos, que são as células responsáveis pela produção do pigmento da pele, chamada de melanina.
Lúpus Sistêmico Eritematoso: É caracterizada pela produção de vários anticorpos que atacam o próprio corpo, podendo atacar o núcleo das células ou DNA do próprio paciente. O lúpus talvez seja a mais característica das doenças autoimunes. Podem ser atacados a pele, os rins, as articulações, os pulmões, o coração, vasos sanguíneos, células do sangue, sistema nervoso, trato gastrointestinal entre outros órgãos e tecidos.
Psoríase: Os linfócitos T, que normalmente combatem organismos invasores, na psoríase eles passam a atacar as células da pele, reconhecendo-as como intrusas. São 7 os tipos principais da doença: psoríase em placas, psoríase gutata, psoríase invertida, psoríase eritrodérmica, psoríase ungueal, psoríase pustulosa e artrite psoriática.
Doença de Crohn e a Retocolite Ulcerativa: São duas doenças distintas, classificadas como doença inflamatória intestinal. As duas são influenciadas por fatores genéticos e ambientais, que pode ser desencadeado por alguma infecção viral ou bacteriana, atacando equivocadamente elementos normais do trato digestivo como bactérias, alimentos e células, levando a um estado de inflamação crônica dos intestinos, em um processo semelhante às doenças autoimunes.
Síndrome de Guillain-Barré: Ocorre uma produção inapropriada de anticorpos contra a bainha de mielina, substância que recobre e protege os nervos periféricos. Os nervos acometidos pela síndrome de Guillain-Barré são basicamente os motores, sem acometimento dos nervos sensitivos. Logo, há paralisia muscular com pouca ou nenhuma diminuição da sensibilidade.
Esclerodermia: É uma doença do tecido conjuntivo que envolve alterações na pele, nos vasos sanguíneos, nos músculos e nos órgãos internos. Sua causa é desconhecida.
Miastenia grave: É um distúrbio neuromuscular. O organismo produz anticorpos que impedem as células musculares de receber mensagens da célula nervosa (neurotransmissores). Sua causa é desconhecida também mas, em alguns casos, ela pode estar associada a tumores do timo, que é um órgão do sistema imunológico.

GRAVIDADE DAS DOENÇAS: Dependerá dos órgãos afetados. Por exemplo, a Tireoidite de Hashimoto é uma doença praticamente restrita à glândula tireoide, um órgão importante mas não é vital. Os pacientes conseguem levar uma vida normal apenas tomando o hormônio tireoidiano. Outras doenças autoimune, porém, são mais graves, principalmente aquelas que atacam órgãos e estruturas nobres do corpo, como o sistema nervoso central, coração, pulmões e/ou os vasos sanguíneos.
O TRATAMENTO COM A MICROFISIOTERAPIA: A técnica de terapia manual é complementar e não se sobrepõe a outros tratamentos. Existem casos de estabilização das doenças autoimunes e também casos de regressão e até cura total. Os resultados também dependem do tempo de instalação da doença e do acometimento das funções das estruturas afetadas.  A grande vantagem da técnica é ser uma terapia natural, promovendo a cura ou melhora do quadro de saúde estimulando a força de regeneração do próprio corpo do paciente, promovendo diminuição das dores também.
O sucesso do tratamento com a Microfisioterapia se dá devido ao fato da técnica proporcionar uma correção baseada na causa que gerou a doença. Através da palpação, o fisioterapeuta consegue identificar padrões anormais no ritmo vital e estimula o corpo para que ele se corrija usando sua própria força de cura. É por esse motivo que falamos que a Microfisioterapia estimula a autocura.

Um comentário:

  1. Olá Dra Andrea. Tenho uma sobrinha de 7 anos que acabou de ser diagnosticada com esclerose sistêmica. Vc acha que, sendo uma criança e com o diagnóstico precoce, há chances de bons resultados com a microterapia? Há algum profissional na cidade do Rio de Janeiro que vc poderia indicar? Muito obrigada, Claudia Mattos

    ResponderExcluir

Deixe sua mensagem ou depoimento! Obrigada.