O INTESTINO É NOSSO SEGUNDO CÉREBRO

As células nervosas no intestino não controlam apenas a digestão

Nós temos dois cérebros, um na cabeça e outro escondido em nossas entranhas. Os neurocientistas descobriram que o último também é capaz de se lembrar, ficar nervoso e dominar o seu nobre colega.

Ao recebermos uma boa notícia, um formigamento agradável invade a barriga, como borboletas a vibrar. Por outro lado, as situações de tensão, medo ou angústia nos corroem por dentro. A repulsa em direção a algo ou alguém pode produzir náuseas e até mesmo provocar o vômito. Estas sensações têm explicação na ciência.

Nosso intestino é literalmente forrado com mais de 100 milhões de células nervosas, quase exatamente como a estrutura do cérebro, cerebelo e tronco, que compõe o sistema nervoso central (SNC). Do ponto de vista estrutural, neurologistas sistema nervoso divide-se em dois componentes: o central e o periférico (SNP). O último inclui os neurônios sensoriais que ligam o sistema nervoso central para os receptores sensoriais e os neurônios motores, que se comunicam com o sistema central, os músculos e as glândulas .

Conhecido como sistema nervoso entérico ele se estende desde o esofago até ao ânus. Como acontece no crânio, o cérebro entérico produz substâncias psicoativas que afetam o humor, como os neurotransmissores serotonina e dopamina e vários opióides que modulam a dor.

O cérebro abdominal e têm dois objetivos principais:

- Supervisionar o processo de digestão, promovendo o peristaltismo, a secreção dos sucos digestivos para digerir os alimentos, absorção e transporte de nutrientes e eliminação de resíduos.

- Apoiar o sistema imunológico a defender o organismo.

O cérebro é responsável por digerir as emoções enquanto o intestino digere alimentos: Quando o paciente tem problemas em seu intestino delgado é um indicador vital da pessoa com angústia e pode se manifestar como diarréia, o que representa o medo de deixar ir. Além disso, quando os sintomas são do intestino grosso, o sintoma mais comum vai ser a constipação, que passa a representar a força do desejo de dar ou retirar . E não só no sentido material de dar, mas também sobre as emoções, o medo de exteriorizar.

O intestino libera substâncias químicas como, por exemplo, a serotonina (o hormônio da felicidade e bem-estar), em resposta à nutrição e digestão saudável. Sabe que a serotonina não ocorre apenas no cérebro mas, pelo contrário, a maior parte dela (90%) é libertado nos intestinos. Se comemos bem, com variedade e com uma contribuição proporcional de todos os nutrientes, se temos um almoço saudável (sem pressa, mastigando bem e sem distração) nosso sistema digestivo nos responde e nos agradece com uma sensação de bem-estar, dando-nos um bom suprimento de energia, vitalidade e otimismo.

Se por algum motivo a digestão e/ou trânsito intestinal é lento e incompleto estamos acumulando resíduos dentro de nós o que pode causar uma sobrecarga tóxica ou auto-intoxicação.
 
BEBER ÁGUA: Ingerir 2 litros de líquido por dia, comer pelo menos 400 g de vegetais misturados diariamente, leguminosas (de 2 a 3 vezes por semana) , consumir produtos fermentados, três frutas por dia, nozes mistas, pelo menos, 30 g por dia, garantem um bom funcionamento intestinal. Eventualmente, podemos acelerar o trânsito intestinal, tomando suco de ameixa, kiwis e/ou suplementos de magnésio, garantindo assim uma limpeza mais profunda.

Ao comer, devemos saborear e apreciar o processo, devagar, mastigando e analisando os gostos e texturas de comida. Não coma enquanto faz isto ou aquilo, desviando a atenção com outras atividades simultâneas, como assistir TV ou ler o jornal.

EXERCÍCIOS AJUDAM MUITO: Com uma atividade física rítmica, repetitiva, seu corpo ficará agradecido. Os movimentos e alongamentos se feito todos os dias e horas designadas, ativará os sistemas vitais e garantirá seu bem-estar, a curto e longo prazo.

OUÇA SEU CORPO: Sintomas como azia, refluxo, sensação de peso, inchaço, dor, gases, trânsito intestinal irregular, náuseas, etc, são formas de expressão e indicam que algo está errado.
O que muitas vezes acontece é que as pessoas se acostumam a viver com inchaço ou diarreia, ou acha que é normal ou constrangedor, ou sua digestão é tão delicada, sem tentar encontrar as respostas corretas e a qualidade de sua função digestiva.

TRATANDO COM A MICROFISIOTERAPIA: A técnica de terapia manual busca as causas primárias dos sintomas que o corpo apresenta no presente. Através do toque leve, sente os bloqueios que estão impedindo o bom funcionamento do corpo e envia os estímulos para que o corpo se auto corrija.
Uma média de 3 sessões são suficientes para restabelecer o equilíbrio. Após a sessão, alguns pacientes têm reações como sensação de cansaço, sede, que tendem a passar após 24 a 48h.
O paciente também é orientado a beber mais água neste período, o que facilitará a eliminação de toxinas.

CURIOSIDADE: 90% da serotonina, o hormônio do prazer, é produzido no intestino.

Fonte: El Jardin de Judith
Tradução e Adaptação: Andréa Zuppini /MicrofisioterapiaAbc

11 comentários:

  1. Parabéns, Andrea!
    Eu simplesmente amei o seu texto. É completo e claro.
    Obrigada!
    Juliane

    ResponderExcluir
  2. Dra Andreia:
    Se para algumas pessoas o intestino é o segundo cérebro, produzindo inclusive cerotonina, para outras o cérebro parece ser o segundo intestino...produzindo muita quantidade de ...

    ResponderExcluir
  3. Nossa bem interessante. Gostaria de saber como o intestino deve estar para produzir os hormônios e se para de produzir por algum motivo.
    Atenciosamente

    ResponderExcluir
  4. amei..fiquei mais traqnuila em que fazer.

    ResponderExcluir
  5. Achei muitoimportante devemos colocar em prática os resultados serlaparecerao mais nos primeiros dias.

    ResponderExcluir
  6. Muito boas dicas; há muitos anos ouvi a frase-título, e semana passada a cardiologista concordou plenamente.

    ResponderExcluir
  7. Muito boas dicas; há muitos anos ouvi a frase-título, e semana passada a cardiologista concordou plenamente.

    ResponderExcluir

Deixe sua mensagem ou depoimento! Obrigada.